Deve-se ou não comemorar o aniversário da contra-revolução de 64? Para os espíritos democráticos e imparciais respeitem-se os que queiram e os que não queiram. O que não podemos é perpetuar o paradoxo barroquista de parecer imparcial sendo parcial!

Deixe uma resposta