Vale a reflexão sobre a opinião marota de Miriam Leitão, que não esconde sua parcialidade social democrata, sobre a busca da convergência centrista da esquerda, e a do filósofo Olavo de Carvalho, assumidamente conservador, e que há anos elucida as meias verdades dos socialistas envergonhados. Pois o Brasil está cansado do barroquismo da ironia, da hipérbole, da ambiguidade, do paradoxo e da mistificação ou mestiçagem ideológica. Quando os cidadãos estão manifestando sua preferência por enxergar a realidade com suas verdadeiras tintas: o que é ou não verde-e-amarelo, o limite conservador dos valores morais como cautela para o açodamento progressista. Vale a pena ouvir e refletir.

Deixe uma resposta