Seria trágico se não fosse cômico. Se o “juridiquês” não fosse um mero instrumento de exercício de poder, estando em jogo o destino e mesmo a vida de milhões de cidadãos, ainda assim não teria a menor graça para um ambiente de responsabilidade política e o mínimo de razoabilidade e senso de prudência. Veja a palestra de Nelson Jobim que viveu por dentro das mais altas cortes de justiça do país.

Ciclo de Conferências “O barroquismo brasileiro”

Conferência: “O juridiquês como legado barroquista”

Coordenação: Merval Pereira

Palestrante: Nelson Jobim

Data: 22/11/2018

Deixe uma resposta