"Para além de direitos, o maior dever do cidadão é formar outro cidadão.""O maior castigo para aqueles que não se interessam por política é que serão governados pelos que se interessam." Arnold Toynbee"O momento exige que os homens de bem tenham a audácia dos canalhas." Disraeli"Cidadãos moradores, eleitores, consumidores e pagadores de impostos, uni-vos pela plena cidadania!""Mobilizando a cidadania contra o populismo.""O que me preocupa não é o grito dos maus e sim o silêncio dos bons." Martin Luther King"Não basta aos cidadãos terem responsabilidade civil.""Não basta às empresas terem responsabilidade social.""Não basta aos governos terem responsabilidade fiscal.""É preciso o compromisso de todos com a responsabilidade política, expressão de uma verdadeira cultura de cidadania.""Mobilizando a cidadania pela reforma política.""As leis inúteis debilitam as leis necessárias." Montesquieu"A verdadeira administração da justiça é o pilar mais firme de um bom governo." George Washington"Para que o mal triunfe basta que os homens de bem se omitam." Edmund Burke"Não há poder maior que o de uma ideia cuja hora chegou." Victor Hugo"Mobilizando a cidadania pela transparência pública.""É impossível para um homem aprender aquilo que ele acha que já sabe." Epíteto"Onde não há lei, não há liberdade." John Locke"As instituições do Estado e seus agentes devem servir sobretudo ao interesse público. Em caso de conflito de interesse entre cidadãos e governantes, devem servir mais aos primeiros que aos segundos.""Se um cidadão invoca a cidadania em defesa de direitos, seus deveres não podem ser ignorados." T.H. Marshall"Mobilizando a cidadania contra a demagogia." "Qualquer homem que dispõe de poder é levado a abusar desse poder; e irá até onde encontrar limites." Montesquieu"E sem saber que era impossível, ele foi lá e fez." Jean Cocteau"Nunca duvide que um grupo de cidadãos comprometidos e atuantes pode mudar o mundo." Margaret Mead"Mobilizando a cidadania contra a impunidade e a ilegalidade.""Para além de direitos, o maior dever do cidadão é formar outro cidadão.""Mobilizando a cidadania contra a imoralidade política.""O jornalismo pode e deve ter um papel no reforço da cidadania, melhorando o debate público e ressuscitando a vida pública."

"Para além de direitos, o maior dever do cidadão é formar outro cidadão.""O maior castigo para aqueles que não se interessam por política é que serão governados pelos que se interessam." Arnold Toynbee"O momento exige que os homens de bem tenham a audácia dos canalhas." Disraeli"Cidadãos moradores, eleitores, consumidores e pagadores de impostos, uni-vos pela plena cidadania!""Mobilizando a cidadania contra o populismo.""O que me preocupa não é o grito dos maus e sim o silêncio dos bons." Martin Luther King"Não basta aos cidadãos terem responsabilidade civil.""Não basta às empresas terem responsabilidade social.""Não basta aos governos terem responsabilidade fiscal.""É preciso o compromisso de todos com a responsabilidade política, expressão de uma verdadeira cultura de cidadania.""Mobilizando a cidadania pela reforma política.""As leis inúteis debilitam as leis necessárias." Montesquieu"A verdadeira administração da justiça é o pilar mais firme de um bom governo." George Washington"Para que o mal triunfe basta que os homens de bem se omitam." Edmund Burke"Não há poder maior que o de uma ideia cuja hora chegou." Victor Hugo"Mobilizando a cidadania pela transparência pública.""É impossível para um homem aprender aquilo que ele acha que já sabe." Epíteto"Onde não há lei, não há liberdade." John Locke"As instituições do Estado e seus agentes devem servir sobretudo ao interesse público. Em caso de conflito de interesse entre cidadãos e governantes, devem servir mais aos primeiros que aos segundos.""Se um cidadão invoca a cidadania em defesa de direitos, seus deveres não podem ser ignorados." T.H. Marshall"Mobilizando a cidadania contra a demagogia." "Qualquer homem que dispõe de poder é levado a abusar desse poder; e irá até onde encontrar limites." Montesquieu"E sem saber que era impossível, ele foi lá e fez." Jean Cocteau"Nunca duvide que um grupo de cidadãos comprometidos e atuantes pode mudar o mundo." Margaret Mead"Mobilizando a cidadania contra a impunidade e a ilegalidade.""Para além de direitos, o maior dever do cidadão é formar outro cidadão.""Mobilizando a cidadania contra a imoralidade política.""O jornalismo pode e deve ter um papel no reforço da cidadania, melhorando o debate público e ressuscitando a vida pública."

TEATRO

Rasga, Coração
de Oduvaldo Vianna Filho

 Vianinha, como era conhecido o autor nasceu em São Paulo em 1936  e faleceu no Rio de Janeiro em 1974 de câncer de pulmão. Não obstante seus 38 anos, pode ser considerado um dos grandes autores teatrais brasileiros, além de ter sido também ator e diretor de teatro e televisão.

Filho de Oduvaldo Viana que também marcou época no teatro brasileiro, Vianinha fez parte do Teatro de Arena e estreou como autor em 1959, ao escrever Chapetuba Futebol Clube. Em 1973, criou e dirigiu na Rede Globo de Televisão uma das séries humorísticas de muito sucesso, que voltaria a ser apresentada na mesma emissora: A Grande Família. Suas peças A Mão na luva, Allegro desbum e Rasga coração ganharam diversas montagens no Brasil. De todas elas, a mais elogiada pela crítica é justamente a última, Rasga coração, que ele terminou de escrever poucos dias antes de falecer.

Rasga Coração, como seu testamento espiritual, realiza um painel social do Brasil nas quatro décadas anteriores, adotando a perspectiva de um militante anônimo da esquerda. Desfilam nos episódios evocados a esperança de construção de um País justo, ideal sempre frustrado pelos sucessivos golpes da direita, postergando sua estréia nacional para 1979, no Teatro Guaíra, em Curitiba, com um elenco que contava com nomes como Raul Cortez, Ary Fontoura e Lucélia Santos, dirigidos por José Renato.

A peça narra a história de Manguary Pistolão, um funcionário público, ex-militante do Partido Comunista Brasileiro, e os seus conflitos com o filho Luca, um jovem que se interessa por Ioga, macrobiótica e zen-budismo, não demonstrando nenhum interesse por política. Constituída de saltos narrativos  entre passado e presente, Rasga Coração relata momentos cruciais da história brasileira do último século. No plano do passado, a ação perpassa momentos como a Revolução de 30, a Revolta da Vacina, a luta da militância comunista contra o Estado Novo de Vargas e a Ação Integralista, momentos que vão sendo narrados em meio aos conflitos entre o jovem Manguary e seu pai, o fiscal de saneamento 666. O plano do presente mostra a dificuldade de entendimento entre Manguary e seu filho Luca, tendo novamente a história do Brasil como pano de fundo, em um período marcado pelo desenvolvimentismo de J.K, a tomada de poder pelos militares e a  censura imposta por estes. A figura tragicômica e arruaceira de Lorde Bundinha, amigo de Manguary, faz a ligação entre os dois planos cronológicos.

Repleta de músicas e de gírias das épocas de 30 e 60, fruto de uma meticulosa pesquisa lingüística e historiográfica, Rasga coração é apontada como a obra prima de Vianinha, podendo ser considerada a síntese de todo o seu trabalho dramatúrgico. No prefácio da obra, o autor apresenta os objetivos da peça: “Rasga Coração é uma homenagem ao lutador anônimo político, aos campeões das lutas populares; preito de gratidão à Velha Guarda, à geração que me antecedeu, que foi a que politizou em profundidade a consciência do País.”

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.