“O Brasil deve ter instituições fortes e atuantes”

Procurador-geral da República reafirma importância de investigações do Ministério Público

“Negar ao Ministério Público a possibilidade de extraordinariamente investigar, será incapacitar não a instituição mas a sociedade brasileira para o exercício pleno do direito à efetividade da tutela penal notadamente quanto à criminalidade, em especial à criminalidade que se desenvolve nos estratos mais elevados da sociedade, onde a impunidade, desgraçadamente, continua sendo a regra, gerando no particular, profundo descrédito no sistema de justiça.”

Com estas palavras, o Procurador-geral da República e chefe do Ministério Público, Roberto Gurgel, encerrou o seu discurso ontem, por ocasião da abertura dos trabalhos do Ano Judiciário 2010.

A solenidade, realizada em Brasília, na sede do Supremo Tribunal Federal – STF, contou com a presença do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, dos presidentes do Senado, José Sarney, e da Câmara dos Deputados, Michel Temer, dos ministros do STF e do presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público – Conamp, José Carlos Cosenzo, e o presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República – ANPR, Antonio Carlos Bigonha, dentre outras autoridades.

Clique aqui para baixar a íntegra do discurso do Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, que o encerrou com um recado direto aos presentes na solenidade: “O fundamental é que, como gosta de destacar o Presidente Lula, o Brasil tenha instituições fortes e atuantes, cada qual cumprindo fielmente as atribuições que a Constituição lhe conferiu, todas em permanente e recíproca colaboração, todas praticando o mútuo respeito que a República impõe” >>

Deixe uma resposta