Mercado para mulheres cresce mas elas continuam contribuindo menos

Reflexão Sobre Previdência Social no Brasil – Fonte IBGE

Prof. Ricardo Bergamini

Base: Junho de 2009

Premissa Maior

Em junho de 2009, segundo o IBGE, a População Ocupada (PO) tinha a participação de 45,1% de mulheres e 54,9% de homens, a População em Idade Ativa (PIA) de 53,8% de mulheres e 46,2% de homens e a População Economicamente Ativa (PEA) de 45,9% de mulheres e 54,1% de homens.

Premissa Menor

As mulheres contribuem com cinco anos menos para a previdência (INSS ou Servidores Públicos) em relação aos homens, obtendo os mesmos benefícios dos homens, além de terem uma expectativa de vida de 7,6 anos maior do que os homens (homens 69,0 anos e mulheres 76,6 anos). Os militares possuem o direito de computarem nos cálculos de suas aposentadorias o período das escolas preparatórias e academias militares (7 anos). Com base na técnica atuarial existem 12,6 anos nas aposentadorias femininas civis, e 19,6 anos nas aposentadorias femininas militares, sem fontes de contribuições.

Conclusão

Como as estatísticas demonstram, nos últimos trinta anos, o crescimento exponencial da participação da mulher no mercado de trabalho, é óbvio e ululante que o Brasil vem montando uma bomba-relógio na previdência social, de proporções inimagináveis, que começará a ser sentida nos próximos anos, com o início dos pagamentos dos benefícios sem fontes de contribuição. Com base nas premissas acima colocadas, a falência total do sistema será inevitável.


Participe deste debate aqui no nosso Mural do Cidadão >>

Deixe uma resposta