Há vários anos repousa nas gavetas do Min Fux do STF uma arguição de inconstitucionalidade contra a lei que permite que os vencimentos da magistratura do Rio ultrapasse o teto constitucional, resultando que benefícios como auxílios vários tripliquem os salários que atingem em vários casos somas superiores a 100 mil reais mensais líquidos. Diante da crise financeira que se abate sobre o estado do Rio, com milhares de servidores sem receber seus vencimentos em dia, se trata ou não de imoralidade pública? Como ilustra a placa de localização de banheiros do tribunal do Rio trata-se de ver nos WC o destino da própria justiça brasileira.

Deixe uma resposta