Diversos logradouros públicos históricos foram demolidos

Apresentação na internet mostra detalhes do antes e do depois da construção de uma das mais importantes avenidas do Rio de Janeiro, a Presidente Vargas

 

 
A abertura da avenida era parte de um amplo Plano de Obras levado a efeito na gestão do Prefeito Henrique Dodsworth, encomendado ao engenheiro Édison Passos, Secretário de Viação, com o objetivo de desafogar o trânsito da cidade.
 
Grandes foram as dificuldades enfrentadas para a sua realização: a oposição dos proprietários dos imóveis que estavam em seu traçado; a extinção de logradouros públicos como o Largo do Capim; o Largo de São Domingos; a famosa Praça Onze, da qual hoje existe um simples arremedo; uma grande parte da Praça da República que foi, também, eliminada para a passagem do leito da nova avenida; a destruição de importantes edificações como o Paço Municipal, sede da Prefeitura, assim como a comoção provocada no espírito religioso e tradicionalista de muitos pela demolição de diversos templos, dentre os quais as igrejas de São Pedro, do Bom Jesus do Calvário, de Nossa Senhora da Conceição e a Capela de São Domingos. Cogitou-se, até mesmo, de pôr abaixo a Igreja da Candelária, a qual só foi preservada ao se decidir que ela permaneceria dentro da própria avenida. 
 

 

Deixe uma resposta