Destaque para a produção gráfica com nanquim e grafite
Conheça a exposição "Araújo Porto-Alegre: singular & plural" no Instituto moreira Salles, no rio de Janeiro
 

Rio de Janeiro. Floresta virgem, 1856 Manuel de Araújo Porto-Alegre/ IMS

O Instituto Moreira Salles abriga em seu centro cultural do Rio de Janeiro a exposição Araújo Porto-Alegre: singular & plural, com trabalhos de Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806-1879). A curadoria é de Julia Kovensky, coordenadora de Iconografia do IMS, e Leticia Squeff, professora de História da Arte da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Seguindo o costume da área de iconografia brasileira do IMS de trabalhar com obras que têm como suporte o papel, a exposição trará cerca de 50 obras do artista, com destaque para a sua produção gráfica. Foram reunidas aquarelas, esboços, desenhos feitos à grafite e a nanquim. Artista múltiplo, Porto-Alegre atuou também como arquiteto, cenógrafo, crítico, historiador, escritor, jornalista e diplomata. Em busca da totalidade na obra de Porto-Alegre, a exposição também traz textos, poemas e projetos de arquitetura e cenografia.
 
O projeto expositivo partiu da intenção de levar ao público um álbum composto por desenhos e documentos que pertenceram ao autor e que hoje integra o acervo do IMS. A maioria das obras, com datações variadas, abrange o período em que Porto-Alegre esteve na Europa pela primeira vez (1831-1837), acompanhando seu mestre Jean-Baptiste Debret, que voltara para a França definitivamente, e aprimorando sua formação como pintor.
 
A exposição propõe relacionar esses esboços a outras produções do autor e a obras de outros pintores aos quais esteve ligado, seja como professor, ou como crítico. Para isso, além das obras que fazem parte do acervo do IMS, apresentaremos também obras que pertencem a outras instituições, como o Museu Nacional de Belas Artes, a Fundação Biblioteca Nacional, o Museu Julio de Castilhos, o Margs, o Museu d. João VI, o Museu Imperial, o Museu Histórico Nacional, além de coleções particulares.
 
O principal objetivo é mostrar a ampla atuação de Araújo Porto-Alegre no universo artístico brasileiro do século XIX e como suas ideias foram fundamentais para a sedimentação de uma cultura nacional.
 
O IMS lançará um catálogo que reunirá imagens das obras de Porto-Alegre, uma seleção com seus escritos e uma cronologia, além de artigos sobre diversos aspectos da atuação do artista, feitos por especialistas convidados. O catálogo traz ainda reproduções fac-similares do álbum do Instituto Moreira Salles e do Álbum de pinta-monos.
 
 
Sobre o artista
 
Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806-1879) nasceu em Rio Pardo-RS e, em 1827, já se encontra no Rio de Janeiro. Porto-Alegre é uma das figuras mais desconcertantes da história da cultura e das artes no Brasil: muito citado, é também pouquíssimo conhecido. Entre suas diversas atividades, atuou como arquiteto; fez trabalhos de cenografia e decoração para teatro e para festas da monarquia; é considerado autor das primeiras caricaturas realizadas no país; foi idealizador da estátua equestre de d. Pedro I, no Rio de Janeiro; escreveu algumas novelas, muitas peças para teatro e diversos poemas; esteve em cargos de poder em instituições de cultura importantes da época, como o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) e a Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), para a qual concebeu um amplo projeto de reformulação pedagógica, com enormes desdobramentos na arte brasileira da segunda metade do século XIX.
 

Deixe uma resposta