Ação envolve todo o Brasil, além de 19 países da Europa e África

Cidades-sede da Copa lançam campanha contra exploração sexual infantil

Principal alvo é o setor turístico, com trabalho de conscientização em locais como aeroportos, hotéis, restaurantes e táxis

Proteger os direitos de crianças e adolescentes durante a Copa do Mundo e sensibilizar a população sobre a importância da denúncia. Esses são os objetivos da campanha internacional contra a exploração sexual infantil “Não desvie o olhar”, já lançada em Brasília, Salvador, Porto Alegre e recife. A ação envolve todo o Brasil, especialmente as 12 cidades-sede dos jogos, além de 19 países da Europa e África.

A campanha vai conscientizar as pessoas sobre a gravidade dos crimes e incentivar a denúncia. As mensagens, em português, inglês e espanhol, serão focadas no setor turístico. Banners e panfletos serão afixados e distribuídos em locais como aeroportos, restaurantes, hotéis, táxis, pontos de ônibus e agências de viagens, além de ambientes com grande circulação de pessoas. Os jogadores Kaká e Juninho Pernambucano são os astros da campanha, que também será divulgada em outdoors e busdoors.

 

No Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha, onde serão realizadas sete partidas da Copa do Mundo, o slogan “Não desvie o olhar. Denuncie. Disque 100” será exposto em banners, panfletos e nos telões. “Isso é um exercício da cidadania. Precisamos que haja essa consciência da população, dos torcedores e dos turistas, tanto internacionais quanto brasileiros, de que exploração sexual infantil é crime e não será tolerada aqui”, afirmou o secretário Extraordinário da Copa, Claudio Monteiro.

Brasília criou o Comitê de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente para os Grandes Eventos, formado por secretarias, órgãos do governo e entidades da sociedade civil. Em 2013, os Conselhos Tutelares do DF registraram 11.908 denúncias de violações aos direitos de crianças e adolescentes. Desse total, 1.840 envolveram violência sexual. Em todo o Brasil, foram 275.638 ligações para o Disque 100, sendo 27.664 com alertas sobre exploração sexual.

Para denunciar a exploração sexual de crianças e adolescentes, basta discar 100. A denúncia também pode ser feita nos Conselhos Tutelares e na Coordenação do Sistema de Denúncias de Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cisdeca), da Secretaria da Criança do DF, no telefone (61) 3234-2876.

A ligação é gratuita e a denúncia é anônima. As duas Centrais de Atendimento funcionam todos os dias da semana, 24 horas por dia.

SAIBA MAIS SOBRE A CAMPANHA AQUI >>

Deixe uma resposta