A Voz do Cidadão
  Sexta-feira, 24 de outubro de 2014.

 

     
 
busca
Editorial
Editorial da Semana
 
A Voz do Cidadão
O que é a Voz do Cidadão
Programas desenvolvidos
Quem faz
Apoios
Desempenho da VC
Agentes de Cidadania
Nossos parceiros
Oficinas de Cidadania
Prestação de contas
 
O que é Cidadania
Os 10 mandamentos
Direitos dos Cidadãos
História da Cidadania
 
A Voz do Cidadão na mídia
Jornais
Televisão
Rádio Globo
Rede CBN
Clipping
 
Participe
Manifestos
Indique Cidadão Exemplar
Cidadãos Exemplares
Cidadômetro
Flagrantes da Cidadania
Defesa do Eleitor
Mandato Cidadão
Memória Política
Memória da Impunidade
Responsabilidade política
Mural do Cidadão
Panfletaria
Voto Livre
Blog do Maranhão
Tome Conta do Brasil
Saúde Pública
Enquetes
Associe-se
 
Informações sobre Cidadania
Agenda da Cidadania
Bibliografia
Artigos
Citações
 
Links dos Cidadãos
Órgãos Públicos
Entidades Privadas
 
Materiais de Campanha
Downloads
Lojinha
Texto-guia
 
 
Receba nossos informativos
 
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
 
   
 
 
 
   
 
 
 
   
 
   
 
   
 
 
 
 
 
   
 
   
 
   
 
 

Qual é a diferença entre remédio genérico e similar?

Pesquisa divulgada esta semana (pela consultoria Ipsos Health) mostrou que quase toda a população já ouviu falar sobre os medicamentos genéricos: especificamente, 99% dos entrevistados. Porém, 67% afirmam desconhecer os detalhes da composição.

Ao todo, foram entrevistadas quase 4 mil pessoas de todas as regiões brasileiras, por meio de contato direto e também pela internet . A maioria dos que responderam (83%) disse confiar tanto nesse tipo de produto quanto nos de marca.

De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (Pró Genéricos), esses medicamentos com preços até 50% menores do que os praticados no mercado são cópias de outras fórmulas cujas patentes já expiraram.

Já os similares, embora tenham o mesmo princípio ativo dos genéricos (cópias de patentes vencidas), só podem ser comprados com receita médica. Isso porque os produtos não são submetidos aos mesmos testes dos genéricos, o que não garante ao usuário a mesma eficácia clínica dos remédios de marca ou dos genéricos.

Em outras palavras: para conseguir um remédio genérico, basta o consumidor ter em mãos a receita com remédio de marca e, quando chegar na farmácia, pedir o seu genérico. Já para comprar um similar, é necessário que na receita esteja especificamente escrito o nome desse similar, sob responsabilidade do médico que o pediu.

A Pró Genéricos informou ainda que, entre janeiro e abril deste ano, foram comercializadas 69,7 milhões de unidades desse tipo de medicamento, contra 55,6 milhões em igual período de 2006 - uma expansão de 25,3%. A participação desses produtos ficou com 14,7% do mercado total, o que mostra alta de 2,2 pontos percentuais ante os 12,47% verificados no final do primeiro quadrimestre de 2006.

Aqui na Voz do Cidadão colocamos à disposição dos internautas a tabela atualizada de correspondência entre medicamentos de marca e seus correspondentes em genérico, para vocês saberem se o remédio que precisam já está disponível na versão mais em conta.

Temos também um link direto para o site da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos, a Pró Genéricos, o www.progenericos.org.br. Lá vocês têm muitas outras informações sobre produtos genéricos, incluindo um glossário de termos específicos.

Acessem e conheçam!