Livro publicado em 1911, alguns anos depois de seu amigo Max Weber ter publicado  A ética protestante e o espírito do capitalismo. Ambos buscando as motivações culturais e religiosas para o fenômeno do crescimento capitalista, pouco tempo antes da revolução bolchevique. A diferença é que Sombart vai atribuir mais à cultura judaica o espírito do capitalismo do que propriamente à cultura calvinista. Mas se pensamos que na verdade o calvinismo veio a resgatar a origem judaica da fé cristã contra o catolicismo inquisidor, faz o maior sentido entender este espírito capitalista na formação histórica e econômica do Brasil. Alguns autores chegam mesmo a atribuir à expulsão dos cristãos novos de Recife em 1654 o início da decadência do ciclo do açúcar. E a transferência para New Amsterdã da colônia judaica uma das razões do impulso de desenvolvimento da América.

O livro pode ser adquirido diretamente da editora em:

http://editoraunesp.com.br/catalogo/9788539305490,os-judeus-e-a-vida-economica

Werner Sombart apresenta nesta obra clássica uma análise detalhada da contribuição judaica à instauração do capitalismo. Ao examinar o deslocamento da atividade econômica dos países meridionais para os países setentrionais da Europa entre o fim do século XV e o fim do século XVII, quando o capitalismo se estabelece, percebe vínculo entre esse fenômeno e a migração dos judeus, coincidentemente do sul para o norte do continente. (138)

Deixe uma resposta